Dicas de como escolher um bom restaurante

Dicas de como escolher um bom restaurante

Comer é um dos grandes prazeres da vida e quem é que não gosta de estar bem alimentado? Assim, as pessoas estão sempre em busca de novos pratos e novos lugares para achar aquela comida que agrade o paladar. Entretanto, precisamos concordar que quando vamos a um restaurante e não gostamos do que é servido, saímos muito decepcionados.

Esse tipo de coisa acontece muito quando viajamos a um lugar que não conhecemos. A falta de pesquisa antecipada nos faz ir ao primeiro restaurante que encontramos e, às vezes, acontece de os pratos não suprirem as expectativas criadas. Também sabemos que nem sempre é possível comer em nossa opção gastronômica favorita devido aos altos preços. 

Pensando em que gosta de estar sempre inovando na hora de comer, tanto na cidade onde mora quando durante viagens, selecionamos algumas dicas para que você nunca erre na hora de escolher um bom restaurante. Confira abaixo.

- Outras avaliações: Antes de escolher o local para fazer a refeição, é muito interessante ouvir a opinião de outras pessoas. Vale perguntar para familiares, amigos e conhecidos. Uma boa dica também é procurar avaliações do estabelecimento na internet. Há diversos sites específicos para isso, além das redes sociais, que tem servido para formar muitas opiniões. Esse tipo de pesquisa ajuda não apenas a saber se a comida é gostosa, mas também sobre o atendimento, o preço, entre outros fatores que são fundamentais na hora de escolher um bom restaurante.

- Não julgue pela aparência: Como vimos, verificar avaliações antes de ir até o local é muito importante. Porém, apenas você poderá dizer ao certo se gostou do local. Para isso, o ideal é que você não julgue pela fachada do lugar, por exemplo. Às vezes, você pode não achar o ambiente bonito por fora, mas pode gostar muito da comida, do atendimento e do preço. Isso vale principalmente para quem gosta de comida com sabor caseiro e por um valor mais em conta.

- Esteja sempre aberto a novas opções: Não se feche apenas a um tipo de comida e esteja disposta a experimentar novos tipos de culinária. Arrisque provar novas opções e corra o risco de se apaixonar por outros pratos além daqueles que você já está acostumado. É possível fazer descobertas incríveis se não formos sempre ao mesmo lugar.

- Feiras Gastronômicas: Como já citamos, é preciso estar sempre disposto a conhecer novas opções de pratos e as feiras gastronômicas são os melhores lugares para isso. Nelas você tem contato com diversos restaurantes, food trucks – os carrinhos de lanche -, entre outros estabelecimentos gastronômicos. E mais um ponto positivo das feiras gastronômicas são as promoções, já que os locais sempre preparam novidades para esse tipo de evento.

- Avalie você também: Para contribuir com outras pessoas que possam visitar os mesmos restaurantes que você, avalie o estabelecimento. Vale deixar recomendações, elogios, críticas, sugestões e o que você quiser. Esse contato é muito importante para o restaurante para saber em que está acertando e em que está errando.

 

A importância do almoço para nosso organismo.

A importância do almoço para nosso organismo.

Sabemos que há diversas indicações nutricionais sobre comer bem. E uma delas é relacionada a comer a cada três horas para garantir saciedade e evitar de estar com muita fome na hora das refeições principais. Entretanto, nem todos sabem o que comer para garantir que está ingerindo algo saudável.

Todas as refeições são de extrema importância tanto para não passarmos fome quanto para contribuir com o funcionamento do organismo. Porém, o segredo da boa alimentação está no almoço: é nesse momento em que devemos nos alimentar da melhor maneira possível. 

Ele não é a primeira refeição mais importante do dia, porque este é o papel do café da manhã. Entretanto, por mais que você tome um café reforçado, não pode cogitar a hipótese de pular o almoço. Esse é o momento de repor todas as energias para continuar realizando as atividades normalmente durante o dia.

É muito comum que as pessoas cometam excessos durante a noite e comam besteiras ou alimentos considerados pesados demais. Isso ocorre na maioria das vezes porque o almoço foi deixado de lado: a refeição foi feita de maneira rápida, a pessoa comeu pouco ou nem sequer almoçou.

Os alimentos

No almoço, é possível ingerir uma grande diversidade de nutrientes, já que são muitos alimentos juntos. É comum que estejam presentes vitaminas e minerais (nas verduras e legumes), proteínas (carnes e alimentos leguminosos), carboidratos (massas e arroz) e gorduras (óleo utilizado no preparo dos alimentos).

Se os alimentos ingeridos no almoço forem bem escolhidos, eles contribuíram com o organismo de maneira a aumentar a saciedade. Além disso, se a refeição for nutricionalmente adequada, ela irá fornecer poucas calorias e, de quebra, ajudar na perda e no controle de peso.

Nutricionistas recomendam que a refeição adequada é aquela em que o seu preparo é o mais simples possível. No caso dos legumes, por exemplo, o ideal é que sejam cozidos. Já as carnes são melhores se forem grelhadas e não fritas, à parmegiana ou à milanesa. Arroz e feijão, a dupla favorita dos brasileiros, não podem faltar. Ao invés de temperar as verduras com vinagrete, opte por azeite ou limão, que são mais saudáveis.

Para acompanhar a refeição, evite o refrigerante e tome um suco de frutas natural. A sobremesa também não pode ficar de fora. O mais recomendado pelos profissionais da saúde é escolher uma fruta mais apetitosa da estação. Assim você foge de ingerir doces e outras opções extremamente calóricas.

Dica de ouro

Se você trabalha, estuda ou tem compromissos durante o dia todo e precisa almoçar fora de casa, sabemos que é difícil comer bem e de maneira saudável gastando pouco. Mas uma dica simples pode resolver esse problema: procure um restaurante que sirva uma variedade grande e faça contato com o proprietário ou o chef de cozinha, para ver como é o processo de escolha dos alimentos e de que forma eles são feitos. Não esqueça de pedir um descontinho se você resolver virar cliente. rsrs.

Entenda mais sobre os benefícios dos grãos e cereais para nossa saúde

Entenda mais sobre os benefícios dos grãos e cereais para nossa saúde

As pessoas estão cada vez mais preocupadas com a aparência. Para conquistar o corpo dos sonhos, é comum ver homens e mulheres malhando e fazendo diversas dietas. Entretanto, o que nem todos sabem, é que a aparência também está ligada a fatores relacionados à saúde. Dessa maneira, para estar com o “corpo em dia”, também precisamos estar saudáveis.

Os alimentos que ingerimos têm funções específicas para repor os nutrientes em nosso organismo. Enquanto alguns não trazem muitos benefícios e podem trazer, inclusive, malefícios, outros são ricos em tudo que precisamos para manter a saúde em dia.

Quando começamos a nos alimentar de maneira saudável ou iniciamos uma reeducação alimentar, é muito comum que os nutricionistas indiquem os cereais integrais. Isso porque eles trazem inúmeros benefícios à saúde. Entretanto, é importante destacar que para que ele realmente seja integral, é necessário ter as três camadas: a casca, o endosperma e a semente.

Os cereais integrais são ricos em vitamina E, B, selênio, ferro, cobre, zinco, fósforo. Além disso, também possuem fibras, carboidratos complexos, fibras e têm baixo teor de gordura. Tudo isso faz com que eles auxiliem no funcionamento do corpo e apresentem diversos benefícios à saúde. Confira alguns deles:

- Reduz o colesterol: isso acontece graças às fibras solúveis e ao baixo nível de gordura. Assim, é reduzido o risco de doenças cardiovasculares. Portanto, o consumo de cereais integrais faz com que as pessoas têm corações mais saudáveis;

- Baixo nível de glicose: Após as refeições, é comum que ocorra um pico de glicose no sangue. Os cereais diminuem a quantidade desta substância e também ajudam a controlar a diabetes;

- Saciedade: A ingestão de cereais ajuda na manutenção e na perda de peso, já que traz a sensação de saciedade;

- Reduzo risco de câncer: Isso vale principalmente para o câncer no intestino e no estômago, que são os mais causados pela obesidade;

- Proteção do intestino: A ingestão de cereais como a linhaça o centeio e o farelo de trigo ajuda a proteger o organismo graças à lignina das plantas;

- Funcionamento intestinal: Os cereais também auxiliam no funcionamento do intestino, já que facilitam o ‘trânsito’ e aumentam o bolo fecal.

Principais tipos de cereais

- Arroz: O ideal é que seja o tipo integral ao grão polido, que retém melhor as fibras, vitaminas e minerais. O sabor é mais acentuado do que o arroz branco que as pessoas já conhecem e a sua textura também é mais grossa. Ele é rico em vitaminas do complexo B e possui uma pequena quantidade de cálcio e fósforo.

- Aveia: Ela é mais comum nos biscoitos e cereais em flocos e, por ter alto teor de fibras solúveis, ajuda a diminuir os níveis de colesterol no sangue, além de trazer melhor aproveitamento da insulina.

- Centeio: Apesar de conter glúten em menor quantidade do que a farinha de trigo, os produtos derivados deste alimento são pesados e úmidos. É muito comum em biscoitos e em pães torrados.

Perigos do Sal escondido nos alimentos para nosso organismo

Perigos do Sal escondido nos alimentos para nosso organismo

O sal é um importante elemento de nossa dieta e faz parte da alimentação diária. Presente em grande parte dos alimentos ajuda a manter o bom funcionamento do organismo ao equilibrar a quantidade de água nas células, além de outros benefícios já estudados pela ciência. Portanto, mais do que trazer sabor, trata-se de algo essencial na dieta, mas que também pode ser um grande vilão.

O consumo do sal quando em excesso, pode trazer desequilíbrios e graves consequências, que vão desde um simples inchaço até o aumento excessivo da pressão arterial, que pode levar à morte através de um infarto ou AVC – acidente vascular cerebral. Os rins também sofrem com o sal em excesso e podem aparecer graves problemas nestes órgãos tão importantes para a filtragem do sangue.

Para pessoas que há sofrem de pressão alta ou diabetes, o sal é um perigo ainda maior e pode causar danos de forma mais rápida do que em pessoas saudáveis. Portanto, o ideal é consumir o sal sim, mas com mais cuidado e responsabilidade.

Qual a quantidade de sal ideal?

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o consumo diário do sal não pode ultrapassar 5 gramas por dia, por pessoa. Isso porque esta quantidade de sal contém cerca de 2 gramas de sódio, que é o verdadeiro causador de tanto mal. O problema é que segundo a mesma organização, as pessoas estão consumindo mais do que o dobro do que esta quantidade, chegando a cerca de 12 gramas por dia!

Você deve estar pensando que isso é um exagero e que provavelmente não consome esta quantidade toda de sal em um dia só. Acontece que nem sempre sabemos a quantidade de sódio presente nos alimentos industrializados que consumimos e por isso podemos estar correndo riscos sem ter a mínima ideia.

E não é só nos alimentos salgados que ele está presente. A maioria dos doces, bolos, biscoitos, pudins e até sucos prontos, contém uma quantidade de sódio extremamente alta, colocada lá pela indústria para melhorar o sabor e ajudar a mantê-los por mais tempo. 

Então chegou a hora de cuidar mais da sua saúde e começar a tomar cuidado com a ingestão de alimentos industrializados e ricos em sódio. Quer saber como começar?

Para diminuir o consumo do sal, comece com atitudes simples. Evite acrescentar sal em alimentos já preparados, ao cozinhar, prefira outros temperos naturais, como a salsinha, a pimenta e a cebola, e fuja de misturas prontas compradas em supermercados no seu cotidiano.

Ao consumir alimentos industrializados, sejam doces ou salgados, avalie sempre o rótulo e prefira as opções com a menor quantidade de sódio possível e sempre que puder, prefira consumir alimentos frescos, feitos em casa e sem adição de conservantes ou temperos comprados. 

E não é preciso cortar o sal de sua dieta, somente evitar o consumo exagerado, que é realmente prejudicial. Com estes cuidados simples, vai ser capaz de conquistar uma vida muito mais saudável, um equilibrada e vai diminuir drasticamente os riscos de aumento da pressão arterial, problemas nos rins e outros males causados pelo excesso de sódio no organismo.

O que é Glúten? Quais Alimentos Fontes e Sintomas de Intolerância

O que é Glúten? Quais Alimentos Fontes e Sintomas de Intolerância

O glúten acabou se tornando uma das maiores dúvidas da alimentação nos dias de hoje. Muitas pessoas dizem que cortaram totalmente da dieta e conseguiram resultados maravilhosos, relacionados tanto à boa forma quanto a um melhor funcionamento do organismo. Mas e você? Sabe realmente o que é o glúten? Vai dizer que nunca se perguntou o que realmente ele é e se faz bem ou faz mal para o nosso organismo?

Pois bem. O glúten nada mais é do que uma proteína natural, presente em diversos cereais como, por exemplo, a cevada, o centeio e um dos mais presentes em nossa alimentação o trigo. É ele que dá elasticidade ao cereal e possibilita que o pão, por exemplo, nosso companheiro fiel do dia a dia, cresça fofinho.

Ou seja, na verdade não há novidade nenhuma e desde que o mundo é mundo, consome-se pão em praticamente todas as civilizações humanas, todos os dias. E nunca houve tanto medo em consumir o tal do glúten. Mas será que ele faz mesmo mal?

A resposta é: depende. Se for sofrer da doença celíaca, sim. Segundo especialistas, cerca de aproximadamente 1% de toda a população do mundo tem este problema, e não o glúten não é ingerido de forma correta. Nos celíacos, quando o glúten chega ao intestino, liga uma reação natural do sistema imunológico que não permite que ele seja digerido como deveria, trazendo problemas intestinais e a dificuldade de absorver nutrientes e vitaminas de diversos outros alimentos. Mas se trata de uma doença um tanto quanto rara, e nas demais pessoas, o glúten não traz e nem causa problema algum. 

O glúten engorda?

O glúten por si só não é capaz de engordar ou emagrecer ninguém, mas ele está presente em grande parte dos alimentos mais calóricos e ricos em carboidratos. Por si só, ele não engorda, mas acabou se tornando um vilão por fazer parte de alimentos que se consumidos em excesso podem sim, fazer os quilinhos aumentarem.

Quais alimentos são fontes de glúten

Conforme dissemos anteriormente, o glúten é uma proteína presente em cereais. Portanto, ele está presente em alimentos que contém estas substâncias. Entre os mais conhecidos podemos citar:

* Pães;
* Massas em geral;
* Biscoitos doces ou salgados;
* Bolos e doces feitos à base de farinha de trigo;
* Alguns alimentos processados;
* Algumas bebidas alcoólicas como o uísque e a cerveja.

Mas para saber se um alimento industrializado possui ou não glúten é fácil. Como o glúten pode fazer realmente muito mal para quem possui a doença celíaca, não é difícil encontrar a informação em rótulos e selos, sempre de forma visível e destacada. 

Como saber se tem a doença? Quais são os sintomas?

Os sintomas da intolerância ao glúten ou doença celíaca são geralmente desconforto abdominal, enjoos e vômitos, alterações na pele, mudanças no ciclo menstrual e muitas outras. A doença celíaca é grave e pode trazer graves problemas à saúde, portanto se você desconfia que está sentindo algum dos sintomas, visite um médico e solicite o teste o mais breve possível.